Genética Brangus

Em 1912, foram feitas as primeiras experiências do cruzamento entre o Angus e o Zebu, resultando hoje no programa Brangus. O primeiro cruzamento foi realizado no Estado norte-americano de Louisiana. O objetivo era a criação de um animal que apresentasse altos índices de produtividade, mesmo criado em condições de clima e meio ambiente adversos, típicas das regiões tropicais e sub-tropicais.

Em 1949, criadores de 16 estados americanos e do Canadá que estavam cruzando as duas raças se reuniram na cidade de Vinita, Oklahoma (EUA), e fundaram no dia 29 de julho a American Brangus Breeders Association, que mais tarde passou a se chamar de International Brangus Breeders Association. A partir daí a raça passou a ser reconhecida pelo governo norte-americano e canadense.

A sede internacional do Brangus fica em San Antonio, no Texas (EUA), e os criatórios estão espalhados por quase todos os Estados americanos. Outros países associados são o Canadá, México, Austrália, América Central, Argentina, Brasil e Rodésia.

No Brasil, as experiências de cruzamento começaram a ser realizadas por técnicos do Ministério da Agricultura, em Bagé (RS), na década de 40.

Em 1955, com o nascimento dos primeiros animais 3/8 Zebu e 5/8 Angus, o experimento recebe a classificação de Trabalho Preferencial.

A partir daí, sua criação foi se desenvolvendo e em 1978 a raça participa pela primeira vez na Expointer, em Esteio/RS.

Em 1981, o Ministério da Agricultura reconhece oficialmente o Registro Genealógico da raça com o animal "Anú das Cinco Cruzes 547".

Analisando os bons resultados que a raça veio apresentando, a Bom Retiro, deu início na década de 70, à criação e produção de Brangus, utilizando o cruzamento com Nelore. Mas apenas nos anos 90, começamos a registrar a raça. Com muita dedicação e trabalho, sempre empenhados na obtenção de ótimos resultados, nossos Brangus, em 2001, saíram campeões no CAT 2001 em Uberlândia/MG, conquistando o 1º, 2º e 3º lugares.

PRODUÇÃO E ADAPTAÇÃO

GENÉTICA E RUSTICIDADE